Translate

sábado, 16 de novembro de 2013

Ducati Monster 1200 e 1200S - mais monstros à solta.

Por Waldyr Costa
Imagens de divulgação da Ducati.
Clique para ampliá-las.


Antes de escrever sobre as novas "monstruosidades" da Ducati, eu não posso deixar de falar um pouco da história de  como a Monster se tornou um ícone e, talvez, a naked mais carismática da história do motociclismo moderno. 



A linha Monster começou a ser gerada em 1992, era um conceito que já habitava os neurônios do projetista Miguel Angel Galluzzi, que precisou insistir com os diretores do grupo Ducati/Cagiva para executar o projeto. O diretor técnico Massimo Bordi tinha solicitado mais ou menos assim a Galluzzi: nós queremos uma moto que mostre a forte tradição da Ducati, mas que seja fácil de pilotar e que não seja uma superesportiva. Mas o projeto que foi apresentado a Bordi não era exatamente uma custom para brigar com as Harley como ele imaginava em seus sonhos. Era  uma moto moderna, com forte característica de estilo no desenho, esportividade italiana e, principalmente, "ducatiana". É uma  moto pro cinema - afirmava Bordi, em tom reprovador.

Meio a contragosto, ele deu prosseguimento ao projeto, mas como essa nova moto deveria ser barata, Galluzzi teria que se virar e aproveitar os componentes que já estavam na linha de produção da Ducati. O que poderia ser um castigo para o projeto de Galluzzi, foi, na verdade, o ingrediente para o sucesso. Sem problema, - ele deve ter pensado - só tem coisa boa para aproveitar. 

Então, em 1993, Galluzzi fazia nascer a Monster M900, uma alquimia no melhor estilo Frankenstein, adotando o motor  da 900cc superesportiva e uma mistura do quadro da própria 900 com quadro o da 851cc de corrida, já a suspensão veio da 750cc superesportiva - como você pode notar, só coisa boa. Galluzzi havia desenhado um belíssimo tanque, bem musculoso, e que habilmente valorizava o quadro de treliça tubular por ele "mixado", que, além de ser muito eficiente estruturalmente, era de uma beleza marcante. Toda essa mistura se tornou a própria identidade da linha Monster. 

Galluzzi deu a luz à uma moto estreita, leve, muito ágil e fácil de pilotar até para os novatos. Com toda a herança  tecnológica dos quadros, suspensões e motores das eficientes motos esportivas e de competição, e um design inédito no estilo naked, a fórmula do sucesso foi encontrada. Foi iniciada a era das nakeds derivadas das motos esportivas em nosso planeta, as esportivas "nuas". A M900 teve as irmãs M600 em 1994, M750 e M400 em 1996. Uma  sequência evolutiva ocorre nos anos seguintes, com novos modelos e melhoramentos. A última adição da linha Monster é a 1200 e a 1200S que vamos conhecer agora.





As novas 1200 e 1200S nas palavras da Ducati:
(a seguir, o texto com tradução livre)



MONSTER




Design atemporal.

Uma experiência radical à primeira vista, um casamento perfeito entre funcionalidade e estilo, a base para um novo sabor.


Uma combinação vencedora de forma e funcionalidade.

A exclusividade da Monster também vem das soluções técnicas utilizadas. O equilíbrio entre forma e funcionalidade produziu uma moto que se sai bem até o último detalhe, com cuidados de acabamento da mais alta qualidade. O tanque metálico no estilo absoluto da Monster contribui para definir o caráter superior da moto. O tradicional quadro de treliça da Ducati evoluiu, usa uma típica solução de competição no qual o motor é o elemento de suporte estrutural. O formato da rabeta é afilado e o sistema de exaustão, duplo sobreposto com saída unilateral, não deixa dúvida quanto à performance da moto.


A revolução das espécies.

À primeira vista, todos os elementos que contribuiram para criar a lendária Monster estão visíveis: as linhas agressivas, o farol redondo, o tanque inconfundível. A vitoriosa combinação do estilo minimalista e da avançada tecnologia mais uma vez caracterizam a icônica naked do setor. A expressão máxima do desempenho italiano em uma moto emocionante, mesmo antes que o motor seja ligado.


Os detalhes fazem toda a diferença e a Monster é a prova disso.

A emoção à primeira vista se torna deslumbramento para aqueles que adoram observar os detalhes. O painel LCD, junto com a luzes dianteiras e traseiras, mostram o quanto esta moto foi desenhada para o futuro. A escolha das rodas atendem À necessidade de performance sem comprometer o desenho cativante no qual elas estão inseridas. Os detalhes em metal escovado melhoram a moto, completando a obra de arte.


Ducati Monster 1200

Forma e função

O desempenho e a fluidez do novo motor Testastrettada com comando desmodrômico e quatro válvulas por cilindro, a versatilidade na escolha de três modos de gerenciamento eletrônico do motor para pilotagem, o conforto do assento ajustável a as alças de apoio para o passageiro fazem da Monster 1200 uma moto capaz de se adaptar a qualquer ocasião, de forma que você possa seguir seus instintos em qualquer situação. O inconfundível desenho da Monster é realmente icônico e significa que não há limite para o seu prazer.


Ducati Monster 1200S

Instinto monstro

O "pacote de performance" que acompanha a 1200S leva o motor Testastretta 11° DS a 145cv e faz com que essa potência seja facilmente controlada graças aos freios Brembo derivados de competição e à essencial suspensão Öhlins. O pára-lama dianteiro é de fibra de carbono e as engenhosas rodas com seu desenho leve e agressivo são a assinatura de cada versão "S". Deixe-se levar pelo seu "instinto monstro".


Monster design

Todos os elementos que criaram a lenda Monster estão ali, em evidência numa passada de olhos: um poderoso "estilo monstro-mosca", o farol redondo cercado pelas bengalas, o sólido e escultutal tanque de metal, e o autêntico conceito do "menos é mais" que dá a percepção exata de estar em frente a um motor, um chassis, um tanque, um assento; e nada mais. A despeito das dimensões aumentadas que oferecem performance e versatilidade sem precedentes, o caráter de moto esportiva é altamente evidente nas formas da Monster. A rabeta é afilada (com a importante contribuição do suporte de placa rebaixado), a "massa" da moto está visivelmente concentrada na frente, e a área do motor parece compacta mesmo com o novo sistema de refrigeração líquida graças à inteligentemente integrada refrigeração de óleo, o radiador, e os reservatórios de água; o motor está acoplado a um sistema de escape que serpenteia pelos contornos da moto e que não faz cerimônia em denunciar o desempenho da moto. A nova Monster 1200 visualmente passa sofisticação, modernidade e conteúdo pelas avançadas soluções técnicas e materiais de qualidade premium: o tradicional quadro de treliça da Ducati evolui para usar uma solução de competição tornando o motor no principal elemento estrutural na recepção de esforços dinâmicos; o painel é novo e totalmente de LCD com tecnologia TFT na tela e as luzes dianteiras e traseiras delineiam o direcionamento de estilo para o futuro; e o escultural tanque de metal no mais puro estilo  Monster juntamente com os componentes de metal escovado ratificam sua posição de moto premium. A rabeta da moto foi desenhada com a preocupação instalar facilmente as malas laterais de viagem, de forma que o sistema de montagem esteja perfeitamente integrado com a moto quando as malas fores removidas.


Riding Mode

A nova Monster incorpora as mais novas tecnologias da Ducati, incluindo os famosos modos de pilotagem. Três modos (URBAN, TOURING, SPORT) estão disponíveis incorporando as tecnologias de ponta na categoria: Ride-by-Wire (RbW) - acelerador eletrônico, Ducati Traction Control (DTC) - sistema de controle de tração, sistema de freios ABS multi-calibráveis (9MP ABS) e os gráficos do painel de instrumentos. O piloto pode mudar o comportamento da moto pelo seletor de modos no punho esquerdo - mesmo em movimento - entre três pré-configurações (Riding Modes) que melhor se adaptem ao seu estilo ou condições de pilotagem. O controle dos modos de pilotagem torna possível alterar instantaneamente a entrega de potência do motor (RbW), a ativação dos níveis de controle de tração e de antiblocagem das rodas (DTC e ABS), e os modos gráficos do painel de instrumentos (URBAN, TOURING, SPORT).
O controle dos modos de pilotagem vêm pré-configurados de fábrica em cada um dos três parâmetros, mas podem se personalizados e salvos conforme o piloto deseje. Uma opção "default" está disponível para rapidamente retornar às pré-configurações de fábrica.


Testastretta 11˚ DS

A nova família Monster 1200 é motorizada pela segunda geração do Testastretta 11° DS, suave e com duas velas de ignição por cilindro e um sistema secundário de injeção de ar. A ignição dupla Dual Spark (DS) usa as duas velas por cilindro para efetuar uma queima completa dos gases num tempo mais curto. O sistema tem admissão secundária de ar similar ao da 1199 Panigale foi introduzido para otimizar o funcionamento e reduzir a variância da combustão cíclica sem afetar as emissões. Um fluxo controlado de ar é injetado no tubo de escape para permitir a oxidação dos gases, para reduzir efetivamente os níveis de hidrocarbonetos e dióxido de carbono. O Testastretta 11° DS que equipa a nova família Monster 1200 é único como são estas motos, pois é projetado para ser o principal componente estrutural da moto; e ainda mais, a entrada de ar e o escape foram dimensionados para otimizar o torque em baixos e médios rpm (coletores, admissão, corpos de carburação e silenciadores tem um menor diâmetro para entregar uma incrível força de torque). O motor Testatstretta 11° DS de 1200cc está disponível em duas configurações de potência: a Monster 1200 entrega 100,7 kW (135 CV) de potência @ 8.750 rpm e 118 Nm (12,0 kgm) de torque @ 7.250 rpm, enquanto que a Monster 1200 S tem um mapeamento dedicado (RbW mapping) permitindo 108,2 kW (145 hp) de potência @ 8,750 rpm e 124,5 Nm (91.8 lb-ft) de torque @ 7,250 rpm.


Potência e torque

Graças à entrada de ar dedicada e ao escape de segunda geração, o Testastretta 11° DS entrega um potência comparável à dos motores de três e quatro cilindros, ainda maior na "S", e uma incrível curva de torque que será apreciada pelos mais exigentes "Monsteristi" e pilotos esportivos; mais de 85% do máximo torque disponível já está presente às 4.500rpm. As duas versões do Testastretta 11° DS oferecem uma vasta gama de torque, naturalmente a versão "S" tem uma faixa de torque mais ampla e cheia.


Sistema de escape

O motor Testastretta 11° DS é acoplado a uma saída lateral dupla tipo 2x1x2 com ponteiras duplas que não escondem do que a Monster 1200 é capaz.  O sistema de gerenciamento eletrônico dedica uma sonda lambda a cada cabeçote, fornecendo uma alimentação precisa, enquanto os silenciadores de elegante estilo "canhão apontado para cima" carregam conversores catalíticos, para estarem em conformidade com as normas de emissões Euro3. Um válvula intermediária eletronicamente controlada otimiza as pressões de escape em toda a faixa de rotação.


Ride-by-Wire

O sistema Ride-by-Wire (RbW) é um dispositivo eletrônico entre o acelerador e o motor, que configura a resposta de potência ideal para o mode de pilotagem selecionado. O acelerador não tem o cabo ligando o punho às borboletas de aceleração, ao invés disso ele envia um sinal à unidade de controle, que em resposta opera a borboleta eletronicamente controlada. O sistema RbW usa três modos de mapeamento para regular a entrega de potência:
- 135hp com comportamento esportivo
- 135hp com comportamento progressivo, ideal para viagens
- 100hp com comportamento progressivo, ideal para cidade


Intervalos de manutenção

Um projeto cuidadoso, com uso de materiais de máxima qualidade, obtém resultados incríveis. Programado para regulagens de válvulas a cada 30.000 km, e a troca de óleo a cada 15.000 km, o motor oferece mais facilidade de uso e baixo custo de manutenção. Isso foi possível também devido à melhora na eficiência de combustão e às mais baixas temperaturas de operação do novo Testastretta 11° DS.


Embreagem deslizante

A transmissão incorpora embreagem em banho de óleo com função deslizante e pressão super leve no manete. Seu mecanismo usa um sistema de assistência progressiva que pressiona os discos em conjunto quando estão sob tração do motor, permitindo a redução do comprimento das molas da embreagem. O resultado é o menor esforço no manete de embreagem, ideal para o anda-e-pára na cidade ou para as longas viagens. Quando a tração é reversa (redução), este mecanismo reduz a pressão nos discos de embreagem, possibilitando uma ação deslizante no mesmo estilo das de corrida, que reduz o efeito desestabilizante na traseira sob redução agressiva e permite uma sensação mais suave nas desacelerações ou reduções sob condições normais de pilotagem.


Ergonomia sob medida

A gama da nova Monster 1200 apresenta uma proporção totalmente recalculada, e a ergonomia desenhada para oferecer a versatilidade de uma única moto na garagem. O tamanho que ela tem permite amplo espaço para acomodação mesmo para um piloto de 1,85m de altura e um passageiro de 1,75m, também permitindo levar bagagens sem comprometer o conforto. A posição no assento é bem confortável, permitindo a pilotagem por longas jornadas se for preciso; a posição de pilotagem é mais ereta graças ao guidom colocado mais próximo do piloto; e o assento do passageiro pode ter a capa rapidamente removida, pedais do garupa baixos, e alças do garupa integradas dão as boas vindas a quem o piloto desejar levar.


Assento ajustável

A nova Monster 1200 é equipada com um assento ajustável (± 25 mm) para atender aos usuários de todo o planeta. A altura padrão pode ser facilmente ajustada da posição mais baixa, 785mm, para a mais alta, 810mm; posteriormente, dois assentos opcionais permitirão ao usuário ajustar a altura em - 20 mm (765/790 mm) ou ainda em - 40 mm (745/770 mm).


Tanque escultural

O tanque de combustível para 17,5 litros representa um importante elemento na composição do design da Monster. No mais puro "estilo Monster" ajuda a criar a inconfundível e "poderosa silhueta Monster", enquanto que sua construção em metal e bem esculpidos rebaixos de encaixe dos joelhos acrescentam sensação de solidez à Monster.


Quadro derivado de competição

O quadro da nova Monster tem sua estrutura retirada dos quadros de competição que usa o motor como elemento estrutural, como  o rígido bloco do motor não torce, o conjunto de esforços dinâmicos são absorvidos pela massa dele. Esta estrutura é composta por uma compacta treliça da Ducati diretamente fixada aos cabeçotes e ao próprio motor; o amortecedor e o sub-quadro traseiros também estão acoplados ao motor. O sub-quadro é uma clássica estrutura tubular, no entanto, é melhorado por formar um conjunto único com os tubos, os plásticos e o conjunto da lanterna traseira.
A sofisticada estrutura do quadro é leve e rígida, permitindo que a Monster tenha o peso em ordem de marcha mais baixo da categoria (209Kg - peso totalmente abastecida e com 90% do tanque de combustível).


Suspensão

A geometria do chassis inspirada nas motos de competição é acompanhada na frente por bengalas invertidas (upside down), totalmente reguláveis, com de 43mm de diâmetro, enquando que, na traseira, usa um amortecedor Sachs mono-shock ajustável na pré-carga da mola e retorno, fixado por um lado ao cabeçote vertical do cilindro do motor e na outra extremidade montado no forte monobraço oscilante unilateral da Ducati. 
Essa suspensão exemplar mantém o contato do pneu e garante sensibilidade e sofisticação mesmo sob condições extremas de pilotagem na Monster 1200.


Já na Monster 1200S, este mesmo quadro da 1200 é acoplado com bengalas usinadas de Ø 48mm da Öhlins, totalmente ajustáveis na pré-carga da mola e milimetricamente ajustáveis em compressão e retorno de amortecimento. Na traseira a "S" um amortecedor mono-shock Öhlins com reservatório de gás, totalmente ajustável na pré-carga da mola, mais um completo ajuste com controle altamente sofisticado da compressão e retorno do amortecimento. A montagem do amortecedor traseiro segue a mesma receita usada na 1200.


Monobraço oscilante

A Monster 1200 possui um forte monobraço oscilante de liga de alumínio que garante alta rigidez, baixo peso, e excelente estabilidade, exibindo também um visual avançado e estilo profissional.


Rodas de 10 raios

A agilidade e manobrabilidade é garantida em todas as velocidades por uma leve roda de liga de alumínio com 10 raios. A roda dianteira tem 3,5 polegadas de largura por 17 polegadas de diâmetro (3,5x17") e a traseira tem 6x17 polegadas e são respectivamente calçadas pelos pneus 120/70 ZR e 190/55 ZR Pirelli Diablo Rosso II na Monster 1200.


A esportiva atitude da Monster 1200 S é enfatizada pelo design extremamente agressivo de suas rodas. A "S" tem rodas de liga de alumínio com 3 raios em forma de Y, que reduzem o peso, e contam com acabamento em preto brilhante. Os pneus são os mesmos da 1200.


Sistema de freios Brembo

A 1200 usa freios monobloco com pinças Brembo M4-32, que têm alto desempenho nas frenagens e são ativadas por cilindro mestre radial 9MP ABS com multicalibração já como equipamento de série. Os cálipers de quatro pistons de montagem radial trabalham com dois discos flutuantes de 320mm, enquanto que um disco simples de 240 mm trabalha com um cáliper de dois pistons, também Brembo, na traseira.


A versão S, com seus 145cv, recebe o sistema de freios de competição das superbikes. É equipada com o mesmo sistema de freios que equipa a 199 Panigale, que tem uma performance incrível; um clilindro mestre de freio que foi projetado para as corridas, o PR 16, que gerencia um sistema topo de linha com discos de 330mm, que trabalha em conjunto com os cálipers radiais de acabamento artístico primordial da Brembo, o M50, são pinças radiais que usam tecnologia derivada da MotoGP para serem poderosas, compactas e leves. O sistema de freio traseiro é igual ao da 1200.


Pacote de segurança Ducati (DSP)

No desenvolvimento da nova Monster, a atenção não ficou voltada somente para o desempenho absoluto, mas também para garantir, tanto ao piloto como ao passageiro, um alto nível de segurança em todas as condições de pilotagem. Este segundo objetivo foi atingido ao equipar todas as versões da Monster 1200 com o Ducati Safety Pack (DSP), que vem de série junto com o sistema 9MP ABS e os 8 níveis do controle de tração do Ducati Traction Control (DTC).


Autêntico farol Monster

A visão frontal da Monster 1200 é dominada pelo farol redondo, ladeado pelas bengalas, destacando o a poderosa linha Monster. O farol, por si só, é uma moderna unidade que utiliza uma lâmpada halógena para os faróis alto e baixo, e a tecnologia ED para as duas luzes de posicionamento nas laterais do farol. A lanterna traseira totalmente integrada é toda de LED. Os piscas são com lâmpadas. Em alguns mercados a  Monster 1200S virá com os piscas de led. As duas versões utilizam LED na luz de placa.



Painel de instrumentos LCD com tecnologia TFT

As novas Monster 1200 e Monster 1200 S são equipadas com o painel high-end da 1199 Panigale, um inspirado painel com 100% de tecnologia TFT. A configuração do display é selecionável e automaticamente se adapta às condições de luz ambiente, mudando de acordo com o modo de pilotagem selecionado ou conforme a vontade do piloto. São três configurações, que exibem gráficos e informações diferentes, como nas imagens acima, com os seguintes layouts: o básico, que mostra hora, a velocidade e consumo para uso na cidade e aparece quando o modo de pilotagem URBAN á selecionado: somente as informações mais essenciais são exibidas; visualização completa presente no modo TOURING, fornece layout similar ao básico, porém com muito mais informações, inclusive tacômetro; e finalmente a visualização de autódromo que aparece para o modo SPORT, tendo as informações cruciais lidas de forma mais imediata como o gráfico de rpm equivalente ao da superesportiva Ducati1199 Panigale.


Controle de tração da Ducati (DTC)

O controle de tração da Ducati (DTC) oferece oito opções de escolha, ou "níveis de sensibilidade", cada um é programado para admitir uma determinada tolerância de derrapagem da roda traseira para estar de acordo com os níveis progressivos de habilidade de pilotagem, graduados de 1 a 8. Os níveis de intervenção eletrônica pré-selecionados estão diretamente relacionados ao modo de pilotagem escolhido. Quando o DTC é ativado, a central de gerenciamento eletrônico (ECU) analisa os dados recebidos dos sensores das rodas dianteira e traseira para calcular a quantidade de derrapagem e avaliar qual o tipo de intervenção será necessário. Esta intervenção é executada de modo muito suave através do retardo eletrônico da ignição para reduzir o torque do motor, até que a tração plena seja estabelecida na roda traseira. O DTC também pode ser desativado se o piloto assim desejar. Os níveis do DTC vêm pré-calibrados de fábrica para cada um dos três modos de pilotagem, mas podem ser personalizados e serem salvos ao gosto do piloto. Uma opção default está disponível para voltar aos presets de fábrica quando necessário.


Suporte de placa rebaixado

O suporte de placa é colocado em uma posição mais baixa, na altura de um pára-lama traseiro, abraçando o pneu de 19cm de largura e permite o posicionamento central da placa. A placa estará iluminada por LED.


ABS (Anti-Lock Braking System) 9MP

O sistema de freios ABS multicalibrável é o 9MP, significando que o piloto tem a possibilidade de escolha ao selecionar o modo de pilotagem adequado. O sitema 9MP ABS previne o travamento das rodas dianteira e traseira, e tem um refinado sistema de detecção de empinada da roda traseira para permitir o menor espaço de frenagem possível e alta estabilidade através do uso da informação procedente do sensor na pinça do freio dianteiro. O ABS pode ser desativado se o piloto assim desejar. O ABS-Off (desativado) pode ser armazenado como uma das configurações dos modos de pilotagem e ficar salvo mesmo desligando a moto.


Especificações técnicas


Motor

Tipo: Testastretta 11°, V2 a 90º "L", 4 válvulas por cilindro, comando desmodrômico, refrigeração líquida
Capacidade volumétrica: 1.198,4cc
Diâmetro e curso: 106 x 67,9 mm
Compression ratio: 12,5:1
Potência: 100,7 kW (135cv) @ 8,750 rpm  
Potência na versão "S": 108,2 kW (145cv) @ 8.750 rpm
Torque: 118 Nm (87 lb-ft) @ 7.250 rpm
Torque "S": 124,5 Nm (91,8 lb-ft) @ 7.250 rpm
A potência e o Torque são medidos no motor, e não na roda.
Injeção de combustível: Eletrônica em corpor de carburação com borboletas de aceleração de 53mm com sistema de aceleração eletrônico Ride by Wire
Escapamento: Sistema 2-1-2 com conversor catalítico, duas sondas lambda e silenciadores duplos de alumínio


Transmissão

Câmbio: 6 velocidades
Relação primária: Engrenagens de corte reto, relação 1,84:1
Relação de marchas: 1=37/15 2=30/17 3=27/20 4=24/22 5=23/24 6=22/25
Relação final: Peão 15 e coroa 41 dentes
Embreagem: De ação leve, sistema úmido, discos múltipos com acionamento hidráulico. Ação auto-servo na tração, ação deslizante na desaceleração.


Chassis

Quadro: Treliça tubular de aço acoplado aos cabeçotes do motor
Suspensão dianteira: tubos telescópicos usinados de 43mm de diâmetro
Suspensão dianteira "S": Öhlins totalmente ajustável com tubos telescópicos usinados de 48mm de diâmetro
Roda dianteira: Liga de alumínio com 10 raios e 3,50 x 17 polegadas
Front wheel "S": Liga leve com 3 raios de perfil Y e 3,50 x 17 polegadas
Pneu dianteiro: 120/70 ZR 17 Pirelli Diablo Rosso II
Suspensão traseira: Links progressivos com amortecedor completamente ajustável. Monobraço oscilante de alumínio
Suspensão traseira "S": Öhlins, links progressivos com amortecedor completamente ajustável. Monobraço oscilante de alumínio
Roda traseira: Liga de alumínio com 10 raios e 6 x 17 polegadas
Roda traseira "S": Liga leve com 3 raios de perfil Y e 6 x 17 polegadas
Pneu traseiro: 190/55 ZR17 Pirelli Diablo Rosso II
Curso da suspensão dianteira: 130mm
Curso da suspensão traseira: 152mm
Freio dianteiro: 2 discos de 320mm semi flutuantes, montados radialmente com pinças monoblocos Brembo M4-32 de 4 pistões, cilindro mestre com bomba radial e ABS de série
Freio dianteiro "S": 2 discos de 330mm semi flutuantes, montados radialmente com pinças monoblocos Brembo evo M50 de 4 pistões, cilindro mestre com bomba radial e ABS de série
Freio traseiro: Disco simples de 245mm, pinças flutuantes com pistões duplos com ABS de série
Painel de instrumentos: Colorido com display TFT

Dimensões e peso

Peso a seco: 182kg (sem fluidos e sem bateria).
Peso em ordem de marcha (KERB): 209Kg (com todos os fluidos, 90% do combustível e bateria).
Altura do assento: Ajustável 785 - 810 mm
Entre-eixos: 1.511mm
Rake: 24,3°
Trail: 93,2mm
Capacidade de tanque de combustível: 17,5 litros


Equipamentos de série

Modos de Pilotagem, Modos de Potência, DSP Pacote de Sugurança Ducati (ABS + DTC), Acelerador |Eletrônico RbW, alças de garupa e capa do banco do passageiro, sistema anti-furto e DDA.


Garantia
Garantia: 24 meses sem limite de quilometragem
Intervalo de manutenção: 15.000km ou 12 meses
Intervalo para ajuste de válvulas: 30.000km
Emissões e consumo: Em acordo com a norma Standard Euro 3

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.