Translate

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

KTM 1290 Super Duke R - tolerância zero.

Por Waldyr Costa
Imagens divulgação. Clique para ampliar


O que você vê acima é uma incógnita. Tudo depende do referencial, como dizia meu professor de Física. Se você estiver sobre ela, você estará com uma vantagem e tando "entre as pernas". Mas se você estiver em outra moto, especialmente uma superbike ou superesportiva de 1000cc, pode estar prestes a passar vergonha num Racing Day. Dito isso, apresento-lhes a criatura acima. Senhores, esta é a KTM 1290 Super Duke R. Uma animal muito feroz e agressivo, que despeja monumentais 180cv de seu motor, ensandecido por qualquer provocação. É um valor de fazer tremer qualquer concorrente, especialmente se considerar que ela tem peso a seco de 189kg. E, para uma naked acima de 1000cc, isso não é muito.




O responsável por toda essa "ignorância em pessoa" é esta usina aqui em cima. Só de imaginar que esse motor vem da KTM 1190 RC8R, na qual ele é um 1.195cc com 173cv, e que na 1290 Super Duke R ele passou a ter 1.301cc com potência máxima é de 180cv, você pode ficar achando que eu escrevi errado ou que está havendo uma inversão de valores. A naked é mais potente que a superesportiva? Como? Não tá errado? - Não garotos, é isso mesmo! E não é só isso, esse motor está otimizado para o torque, ou seja, está otimizado para ter muita força desde as mais baixas rotações. Ele equipa a mais radical naked - streetfighter - já construída até o momento. Aquela 990 Super Duke que nasceu em 2005 como a primeira super naked da KTM, "tomou bomba" e hoje é a nova KTM 1290 Super Duke R.


Como dizia Marcelo Nova em uma música da banda Camisa de Venus: ...só de imaginar, eu fico super excitado. Provar uma ferramenta dessas pode ser motivo de fim de casamento, você vai terminar querendo ficar com ela.


Veja as oponentes desta Duke para você ter ideia da encrenca que a KTM arrumou para a concorrência: a naked Aprilia Tuono V4R é a sua concorrente mais próxima, com seu motor V4 de 170cv; a recém lançada BMW S1000R, com um quatro em linha de 160cv, vem logo em seguida; a veterana Yamaha FZ1 também com um "4 canecos" de 150cv é a primeira fora do pódio; depois vêm três motos com quase a mesma potência, a nova Ducati Monster1200S que tem um V2 de 145cv, a MV Agusta Brutale 1090RR que concorre com um 4 em lina de 144cv e a também nova Kawasaki Z1000 com um paralelo de 4 cilindros e 142cv; no final da fila chegam a Triumph Speed Triple com seu tricilíndrico paralelo de 135cv e com a lanterninha a Honda CB1000R com o motor mais calmo da categoria, um 4 em linha de 125cv.


Mas aí você pergunta: ué, e a Suzuki, não tem não? - Pois é, a Suzuki, dizem as más línguas, está com a sua GSR1000 no forno há bastante tempo, mas até agora ela não lançou nem quis dizer nada a respeito. Ela pode levar até vantagem por ser a última a lançar a sua super naked, já sabendo o que a concorrência tem nas mãos, mas duvido, pelo que se conhece da Suzuki, que ela vá deixar sua 1.000 com mais de 180cv. É mais provável que tenha em algo torno de 150cv, o que já é muito para 99% dos mortais.


Mas, voltando à KTM 1290 Super Duke R, todas as Duke da KTM foram motos construídas para diversão, desde as pequenas 125 até as 1.000, o intuito sempre foi esportividade e curtição. Esta master Duke foi apresentada no salão de Milão de 2012, EICMA, ainda como protótipo, com o motor da superesportiva RC8R um pouco aumentado, causando sensação geral. Para deixar de arrodeios, os engenheiros da KTM construíram uma superesportiva que não usa roupa, é pelada mesmo, uma naked. Ela tem uma relação de peso-potência de uma superbike e tem eletrônica embarcada do mais alto nível para ajudar a controlar em todos os sentidos, inclusive com a opção de desativar o ABS para brincar de travar a roda traseira no melhor estilo supermotard.


O motor já começa "cheio" e a rotação sobe até 10 mil rpm, quando a ignição trata de preservar a vida útil da mecênica e corta a ignição a 10.050rpm. O torque supera os 14 kgfm, o pneu traseiro que se cuide, ou melhor, seu bolso. Um torque desses pode comer seu pneu traseiro em 3.000km sem você nem perceber.
A composição desta máquina inclui o quadro de treliça em cromo-molibidênio, suspensão dianteira invertida com bengalas WP de 48mm multiajustáveis e monobraço traseiro traseiro de alumínio com amortecedor central pressurizado, também completamente configurável. Os freios Brembo com ABS Bosch formam um kit de alto desempenho. O motor pesa apenas 62kg e é provocado por um acelertador eletrônico ride-by-wire com ignição dupla e mapesmento seletivo. No tanque cabem 18 litros de gasolina, para um consumo reduzido em relação à 1190 Duke anterior (!). E o intervalo de manutenção é de 15.000km.

A lista de atributos é quase interminável. É um caso para uma "parte II". Nossa intenção foi mais destacar o marco que esta moto está colocando na história da indústria motociclística. A corrida armamentista está aberta, assim como ocorreu no passado com a Honda CBR1100XX Blackbird, a Suzuki GSX1300R Hayabusa e a Kawasaki Ninja ZX-14R. Nós temos a ganhar, se tivermos bolso para elas, ou a sonhar, se nosso bolso for menor.







5 comentários:

  1. A Suzuki tem a B-King, com mais de 190 cv, não tem ???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. A B-King tem 184cv, mas não é uma moto ágil como as nakeds esportivas são. Tanto que ela acabou de lançar a GSX-S1000 para concorrer com elas (veja a matéria aqui no blog: http://jornaldomotociclista.blogspot.com.br/2014/10/suzuki-gsx-s1000-2015-o-espirito-da-gsx.html). A B-King é mais uma monster bike, é outra categoria. Assim como a Bandit 1250n também não é uma naked esportiva e sim uma clássica. É a mesma razão pela qual não podemos comparar a Hayabusa com a GSX-R1000. Obrigado pela participação.

      Excluir
  2. Fui na ktm ver uma dessa....
    Mas ainda não tinha chegado.
    Quase reservei uma... e acabo literalmente com a minha vida financeira e meu casamento.
    Quero nem q seja fazer um test drive em uma... já seria um sonho....
    Tenho uma comet gt650...apesar de ninguem botar muita fé nessas Hyosung....já tem uma brutalidade de um bom V2... deixa muito 4caneco no chinelo....
    Amo motores em V.... são demais....
    Super duke 1290 é um sonho q aida quero realizar....

    ResponderExcluir
  3. com certeza essa ktm é bruta sim, e mais ainda que a bking, pois é 50 kilos mais leve, mesmo torque e cavalos da bking praticamente, a minha B-King tem acessórios então não sei se eu iria sentir essa porrada toda da ktm, mais tenho certeza que esses 50 k a menos devem fazer a diferença no final. Minha Bking tem velas iridium, filtro k&n escape esportivo 4x1 full módulo xtre que tira o limite de giro nas ultimas marchas levando ela a 299 em 5th marcha, amo minha moto, é um monstro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Edwin. A B-King é uma fera mesmo, e com essas "liberações" que você fez ela deve ter ficado uma delícia. Obrigado pela participação. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.