Translate

quarta-feira, 30 de março de 2016

Yamaha MT-03 2017: uma R3 naked.

Por Waldyr Costa
Imagens divulgação.

A partir de R$ 19 mil a versão sem ABS pode ser sua.

A Yamaha MT-03 vem ratificando a boa presença da família MT nos mercados onde participa. Atualmente o “Dark Side Of Japan” dispõe dos modelos MT-125, MT-25 (250cc), MT-03 (300cc), MT-07 (700cc), MT-09 (850cc) e MT-10 (1.000cc), onde o MT significa Master Torque, algo como “torque mestre”, numa tradução literal. Isso já define a prioridade desta linha com motorização voltada para um uso mais prático. 



“The Dark Side Of Japan” (O lado negro do Japão), além do óbvio, é também uma clara alusão ao filme Guerra nas Estrelas (Star Wars), que tem o “lado negro da força” (the dark side of the force) como um poder muito difícil de combater. Como torque é força, então isso fica implícito. “May the force be with you” (que a força esteja convosco) é um termo de cumprimento e despedida Jedi (seres com poderes sobrenaturais em Star Wars), que surge à mente como uma recomendação inconsciente para você se deixar seduzir pelas MT. É uma bela sacada de marketing para a Yamaha.

YZF-R3, ela é o Adão e a MT-03 é a Eva. Você já ouviu esta história antes.

Tudo começou mais ou menos assim: o vaidoso deus Yamaha queria dar uma nova moto para seu filho mais jovem ir para escola, trabalhar e viajar nos fins de semana, mas não o queria num autódromo correndo à toa. Ele desceu dos céus, aproximou-se da R3, colocou a mão direita sobre ela e disse derive-se de ti uma nova MT. Então caiu um raio azul em cima da R3 arrancando-lhe toda a carenagem, veio em seguida uma tempestade de areia que a envolveu e finalmente uma chuva a lavou, dando-lhe os retoques finais.

MT-03 660cc de 2008, a segunda MT da série.

Voltando a falar sério, o nome MT-03 foi usado no Brasil na segunda metade dos anos 2.000 num modelo de naked derivado da XT660R, que apesar de ser uma boa opção, não caiu no gosto do brasileiro. Ela foi uma das precursoras da linha atual, quando só existiam a MT-01 (1.700cc) e ela, a MT-03 (660cc). 

A MT que começou tudo: MT-01, motor V2 de 1700cc derivado das cruisers, modelo 2008.

Ótimas motos, mas cada mercado tem suas características particulares e poder aquisitivo idem. O tempo passou e justamente o contrário está acontecendo com a segunda geração das MT, especificamente com as novas MT-07 e MT-09.

A nova MT-03 traz um rebaixamento de motorização em relação à anterior (660cc), mas agora a proposta é outra.

Se você ainda não percebeu, o que mais usamos de um motor é o torque, que é a força dele, e o que menos usamos é a potência (energia) máxima declarada. Mas é essa potência máxima, que só é atingida perto do limite de rotações do motor, justamente o que mais se usa para fazer propaganda. Normalmente é algo que você não vai precisar, nem poder usar, em 99% dos casos. Mas este valor influencia na hora da compra ou de desejar determinada moto, afinal todos queremos ela seja “a mais”: a mais bonita, a mais potente, a mais… e por aí vai.

Se a MT-03 repetir o consumo da R3, vai fazer média em torno de 25km/L, com máximos de 20km/L e mínimos de 30km/L.
Mas na R3 há tendência de enrolar mais o cabo, então, andando com cuidado, a 03 deve beber menos.

Outra coisa que se costuma fazer é comparar os motores somente pelos picos de torque e potência, mas isso, sem uma análise gráfica da curva de desempenho em dinamômetro, ou mesmo de pilotar os modelos para comparar, não serve para muita coisa. E é com esse pensamento que a Yamaha conseguiu uma “filosofia de projeto” que procura atender duas coisas difíceis de obter ao mesmo tempo: bom desempenho e baixo consumo, isso é igual a emoção com economia. Parece que as MT estão conseguindo isso, pelo menos na Europa, Ásia e América do Norte.

Com boa velocidade de cruzeiro, a MT-03 rodará muito bem na estrada, dentro dos limites de velocidade legais.

A nova MT-03 é aquele modelo de moto urbana que dá pra usar também na estrada com mais segurança. Ela tem todo o DNA das MT acrescido da pimenta genética da esportiva YZF-R3, da qual herda a ciclística e a motorização. Certamente a MT-03 vem para brigar pela liderança do nosso mercado nesse segmento, mas continuamos com o problema crescente de sobrepreço em todos os modelos dessa categoria. A Yamaha também precisa fiscalizar para que não haja ágio nas revendas autorizadas, como é comum acontecer com as Honda.

A nova MT é o segundo degrau para o jovem motociclista que está numa 125cc. Bela e refinada, ela tem seus atributos.

Desde quando começou a vender a nova série MT, com a “09”, só na Europa a Yamaha já vendeu mais de 70 mil unidades. Em 2016 a Yamaha incluiu dois novos modelos, a “10” e a “03”. A MT-03 é o degrau natural entre a MT-125 (que não temos ainda) e a MT-07, para os jovens motociclistas. É também uma boa opção para quem já tem uma moto grande na garagem e quer uma opção esperta para a cidade.

Posição de pilotar confortável. Boa característica para os longos percursos urbanos.

Uma importante característica desta nova MT é a ênfase na posição de pilotagem mais ereta, que juntamente com o bom ângulo de esterçamento e a baixa altura do assento, a deixa bem fácil e divertida de ser pilotada na cidade. Com o mesmo motor da R3, que não foi amansado em nada para equipar a MT-03, o desempenho deve se igualar ao da esportiva.

Quadro esportivo e ágil, de tubos de aço, combina bem com as suspensões para fazer uma boa ciclística. 

O quadro é uma cópia daquele da R3, apenas com alguns ajustes para receber uma “roupa” diferente, mantendo a mesma suspensão. Mecanicamente pode-se dizer que a MT-03 é uma R3. Mas na posição de pilotagem tudo muda: guidom, pedaleiras e assento são diferentes. O corpo dela é semelhante ao da MT-07, com aquele tanque esculpido e uma boa área para encaixar os joelhos, capaz de facilitar a adaptação de qualquer tamanho de piloto.

A versão vermelha não é nada discreta, grita por atenção de quem a vê.

O guidom gira bons 68º para cada lado, dando um alcance de 136º para as manobras. Facilita para trocar de faixa entre os corredores do trânsito engarrafado, contornar em espaços mais apertados ou aquelas áreas de estacionamento ridículas, que dá trabalho para entrar até de monociclo.

Assento estreito para ajudar nas manobras e aos mais baixinhos.

O assento a apenas 78cm de altura facilita para quem tem menos de 1,70m, especialmente as meninas, que normalmente são menores que os garotos. Pode-se optar por deixar a pressão na mola a menor possível, que permitirá a suspensão ceder ainda mais e deixar o banco numa altura menor quando montada. O garupa conta com assento elevado e alças de alumínio, que parecem mais estéticas que anatômicas. Espero que não seja assim, pois nas nakeds cada vez mais os garupas estão fadados a tamboretes e garras desconfortáveis.

Design agressivo, com características de elegância, força e leveza.

O conceito visual das MT foi inspirado nas Chitas africanas, que são felinos parentes próximos do Jaguar, do Leopardo e da nossa Onça, um pouco menos do Tigre e do Leão. A Yamaha do Brasil chamou a Chita de Leopardo no press release, porém a Chita é mais magra e é o felino que corre mais, chegando perto dos 120km/h, sem moto! Mas esse trocadilho não tem problema, isso não influencia em nada. 

O desenho mistura traços orgânicos e geométricos, porém explora mais o aspecto tecnológico

O design das MT tem realmente algo de felino, naquela postura agachada para ataque. Para quem curte desenho é só comparar. A aparência é agressiva, compacta, leve e ao mesmo tempo forte, dando a impressão de força e agilidade. O escape curto e baixo alimenta essa ilusão, enfatizando a inclinação das linhas horizontais. A escultura do tanque, as tomadas de ar e o motor inclinado à frente deixam a frente musculosa, em contraste com a magreza geral da moto. Um visual bem balanceado e agradável.

Motor sem alteração, direto da R3 para a MT-03.

O motor chegou à MT-03 com a mesma configuração que equipa a YZF-R3. Como já fizemos um matéria bem completa com esse motor quando falamos da R3 (que você pode ler aqui), não vamos repetir o mesmo texto, mas se você não leu, é uma boa oportunidade para fazê-lo (ler). É uma bela obra de engenharia da Yamaha, que não foi amansado ou reduzido em nada para equipar a MT-03.

Quadro e motor estão integrados em um único conjunto para absorção dos esforços e estresses dinâmicos.

Assim como o motor, o quadro também vem da R3, mas não é exatamente o mesmo. É a mesma base com algumas adaptações ao formato “MT”, mas que obtém o mesmo resultado ciclístico. É um chassi com poucas curvas, acoplagens e soldas, onde usou-se a engenharia para simplificá-lo, deixando mais leve e ágil. As duas vigas principais são compostas com tubos de aço de 35mm, que usam o bloco do motor como elemento de absorção de esforços dinâmicos. Isso evitou o uso de outras barras para compor o quadro, consequentemente reduzindo o peso final.

Outra parte replicada da R3: a suspensão traseira. A configuração da MT-03 é decente.

A Yamaha já vem usando suspensões traseiras com balanças alongadas nos modelos mais recentes da marca, explorando as vantagens obtidas na tração e agilidade com o uso deste elemento mais comprido do que o que é tradicionalmente usado. A MT-03 tem a mesma balança e entre-eixos da R3. Não precisaria dizer mais que isso, mas vamos relembrar que ela é mais suave e flutua menos do que as ariscas suspensões com balanças curtas. Isso melhora a tração (aceleração, redução e curvas) quando as suspensões são mais exigidas.

As mesmas rodas da irmã esportiva. Assim como a opção por ABS.

As rodas são as mesmas da R3, com 5 raios “Y”, que se transformam em 10 pontos de contato com o aro. O pneus seguem a tendência de mais largura que o necessário, com função mais estética que dinâmica, 110/70-17 e 140/70-17 na traseira. Lembro que motos de média cilindrada, de 400cc a 750cc, usavam pneus de 130mm na traseira, medidas que as  motos top de entrada, hoje as 250/300cc, já superam, chegando a usar até 160mm. 

Pneus grandes dão presença, volume e melhoram a aderência, mas aumentam o consumo e são mais caros.

É bonito, mas é uma covardia com o bolso do cliente, que quer uma moto com baixo custo de manutenção. Além do que, isso gera um atrito “pesado” para uma moto de relativa baixa cilindrada, sacrificando o desempenho, a velocidade final e o consumo. Mas também há aqueles que fazem isso com a moto se ela não tiver, e o pior, de forma errada.

Bons freios, mas o ABS não vem na versão Standard (básica), é preciso pagar mais pela segurança extra.

Os freios usam disco flutuante de 298mm com pinça de dois pistões na frente e disco comum de 220mm com pinça simples na traseira. O ABS deveria vir de série, mas a Yamaha optou, não só no Brasil, por oferecer duas versões, com e sem ABS. Se você puder, não deixe de escolher a versão com ABS.

Painel multifuncional com tacômetro de ponteiro, é exatamente o mesmo da R3.

O painel da MT-03 é também o mesmo da R3. Com vasta gama de informações, ele inclui tacômetro análogo, velocímetro digital e indicador de momento da troca de marchas similar ao da R1 (shift light). Além desses há indicador da marcha em uso, marcador de combustível, temperatura de arrefecimento, informações sobre o consumo de combustível, hora, dois odômetros parciais, km de troca de óleo e luzes de advertência.

Farol e piscas com lâmpadas simples. 

Infelizmente a MT-03 não foi contemplada com farol de leds, apenas a lanterna traseira e as luzes de posição acima do farol, que imitam os faróis da R3, utilizam leds. Os piscas usam lentes cristal e lâmpadas incandescentes âmbar e o farol usa uma lâmpada halógena.

Leds só na luz de posição e lanterna traseira.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

MOTOR
Tipo: 4 tempos com refrigeração líquida e 4 válvulas com duplo comando
Cilindrada: 321cc
Diâmetro e curso: 68,0 x 44,1 (mm)
Taxa de compressão: 11,2:1
Potência máxima: 42,0 cv @ 10.750 rpm
Torque máximo: 3,0 kgfm @ 9.000 rpm
Lubrificação: cárter úmido
Embreagem: multidiscos em óleo
Alimentação: injeção eletrônica
Ignição: sistema TCI (transistorizada)
Câmbio: 6 velocidades
Transmissão: corrente


CHASSIS
Quadro: tipo diamante, com tubos de aço, usando o bloco do motor como parte estrutural
Suspensão dianteira: telescópica, tubos de ø41mm, curso 130mm, cáster 25º, trail 95mm
Suspensão traseira: braço oscilante (balança), curso 125mm, monoamortecida
Freios: hidráulicos, disco de ø298mm com pinça dupla na frente, simples com ø220mm atrás
Pneus: 110/70-17 54H na frente e 140/70-17 66H atrás


DIMENSÕES
Comprimento máxima: 2.090mm
Largura máxima: 745mm
Altura máxima: 1.035mm
Altura do assento: 780mm
Distância mínima do solo: 160mm
Peso abastecida: 168kg
Combustível: 14 litros
Óleo: 2,4 litros


OPCIONAIS
Versão com freios ABS

No final da matéria, após o press release, mostraremos as fotos dos acessórios disponíveis na Europa para este modelo, mas não temos informações se eles estarão disponíveis no Brasil.

A seguir você pode ler o texto oficial da Yamaha para o lançamento da MT-03 2017 no Brasil:


PRESS RELEASE OFICIAL - YAMAHA DO BRASIL


MT-03 2017


Com o DNA da MT-09 e MT-07, a caçula 'invocada' entrega performance e agilidade para o uso urbano.

Conceito Guepardo

O Guepardo foi a inspiração da MT-03. E por que o Guepardo? Sendo o mais rápido de todos os animais terrestres, possui longa cauda, coluna flexível e cabeça pequena que lhe garantem estabilidade e aerodinâmica nas curvas em alta velocidade. Esguio, estável, aerodinâmico e veloz! E aí, já deu para entender um pouco da MT-03? 

Prazer na Pilotagem 

A MT-03, produzida em Manaus, pode ser resumida como uma naked que oferece agilidade, performance, beleza e um ponto de muito destaque: a mais pura sensação de prazer na pilotagem – principal característica da família MT. O motor da MT-03 é o mesmo que equipa sua irmã esportiva YZF-R3. Trata-se de um bicilíndrico em linha com capacidade cúbica de 321cc, duplo comando (DOHC - Dual Over Head Camshaft), 4 válvulas por cilindro, arrefecimento líquido e alimentação por injeção eletrônica, capaz de gerar potência e torque máximos de 42,01cv a 10.750 rpm, e 3,02 Kgf.m a 9.000 rpm, respectivamente. 

Leveza com tecnologia 

Para alcançar o objetivo de uma motocicleta leve, a Yamaha utilizou em sua produção, modernos processos e materiais nobres, como nos pistões forjados em alumínio (similar aos das motocicletas de competição) e no cilindro, com a tecnologia DiASil Yamaha, que consiste em uma liga de Alumínio e Silício que proporciona menor vibração, melhor dissipação de calor e uma surpreendente performance. O resultado disso tudo foi uma motocicleta de 166kg na versão STD e 169kg na versão com ABS. 

Eletrônica moderna

A eletrônica é um ponto alto na MT-03, uma ECU de 16 Bit gerencia o moderno sistema de admissão que, em conjunto com a injeção eletrônica, é capaz de fazer com que a mistura de ar e combustível chegue de forma rápida à câmara de combustão. Com isso, a queima é mais eficiente, resultando em consumo de combustível mais equilibrado e entrega de potência e torque mais expressivos. Na prática, dá para perceber isso nas respostas rápidas do acelerador, na força em baixas e médias rotações e na empolgante sensação nos giros mais altos. 

Agilidade com equilíbrio

O escapamento da MT-03 é do tipo 2 x 1 com sistema de câmara de expansão para redução de ruídos e ganho na performance. A ponteira, com desenho arrojado e dimensões compactas é posicionado perto do centro do chassi, o que favorece a centralização de massa. Isso garante ótimo equilíbrio para pilotagem esportiva e estabilidade, qualidade comum aos modelos da família MT. 


Para poder oferecer toda a agilidade e rapidez que a MT-03 proporciona, a Yamaha desenvolveu ciclística que utiliza como base, um moderno e compacto chassi construído em aço do tipo diamante, que oferece resistência com baixo peso.

Suspensão eficiente

O que também contribui para essa ciclística elaborada são as competentes suspensões. Na frente, a MT-03 utiliza o sistema de garfo telescópico, cujos amortecedores possuem curso de 130mm e tubos internos com 41mm de diâmetro. Isso resulta em mais controle e estabilidade na pilotagem em função da maior robustez e resistência a torções.


Já a suspensão traseira, do tipo monocross, tem amortecedor único com sete regulagens na pré-carga da mola, permitindo o ajuste de acordo com o peso, terreno ou tipo de pilotagem. O curso da roda é de 125mm e sua balança – assimétrica –, além de resistente, tem um desenho moderno. Seu comprimento é de 573mm, o que dá a MT-03, a proporção de entre eixos da R1 modelo 2014. O fato de ser longa reduz a variação do angulo da balança em relação ao piso nas curvas ou nas acelerações e desacelerações resultando em maior eficiência na transferência de potência para a roda traseira. 

Segurança em duas versões

Como na R3, a MT-03 estará disponível em duas versões, a Standard e a ABS. Em ambas, o sistema dianteiro é composto por um disco ventilado do tipo flutuante, com diâmetro de 298mm e pinça de duplo pistão. Na traseira, o disco ventilado é de 220mm, e a pinça com pistão único. “A “MT” é uma família naked inovadora e inédita. Assim como nas irmãs maiores MT-09 e MT-07, a MT-03 se destaca por proporcionar o prazer de pilotar, tanto para os que estão dando seus primeiros passos neste trilhar, como para os mais experientes.


Seu motor é compacto, potente e muito mais leve, além de ter o consumo mais eficiente. A sua mecânica é similar à esportiva YZF-R3, diferenciando-se pela posição de pilotagem mais confortável para o uso urbano. Convido a todos para experimentar e desfrutar a nova Yamaha!” Hilario Kobayashi - Diretor de Engenharia de Produto - Yamaha Motor 

Painel tecnológico completo

O Painel da MT-03 é moderno e completo. A iluminação em LED, garante ótima visibilidade em qualquer situação. Nele, há o shift light, que indica o momento da troca de marchas e pode ser ajustado facilmente de acordo com a preferência do condutor, seja no nível de luminosidade (com três opções), na forma de acendimento (intermitente, strobe ou fixa), ou na rotação desejável a partir dos 7.000 rpm. Em um display de LCD, indica a velocidade, marcha utilizada, nível do combustível, temperatura do motor, relógio, hodômetro total e dois parciais, momento da troca de óleo, autonomia e o consumo médio e instantâneo.


“A MT-03 é um produto com design surpreendente, que oferece melhor custo x benefício a quem procura por mais performance para uso urbano, com características de motos de maior cilindrada, porém mais econômica e dinâmica dentro da cidade, além de muita tecnologia em seu conjunto, que resulta em peso x potência similar à modelos de 500cc.” Thiago Chan - MT-03 Product Planner 

Uma legítima MT

A MT-03 é a caçula da família MT, e carrega consigo o design que a Yamaha chama de "visualização de performance", onde o design por si só transmite a sensação de velocidade, agilidade e de leveza, características comuns à toda família MT. E é possível enxergar em cada detalhe esses traços da personalidade MT, como o farol único com luz de posição em LED. Além de menor, ele está 20cm mais próximo do condutor, reduzindo o peso na dianteira e tornando o modelo mais compacto. Por este motivo, a sensação do guidão da MT-03 é de leveza, o que a torna uma motocicleta ainda mais ágil e rápida nas mudanças de direção, ideal para utilização urbana. 


As linhas aerodinâmicas da nova MT-03 transmitem leveza, dinamismo e velocidade. Dá para perceber essa inspiração, desde a capa plástica que envolve o tanque de combustível – com capacidade de 14 litros – e seus defletores de ar, até a traseira elevada.


Nela, a lanterna é em LED, o assento para o passageiro é bipartido e as alças de apoio eficientes, mas sem abrir mão do arrojo estético. 


As rodas em liga leve com 17 polegadas de diâmetro e 10 pontas, são as mesmas da R3, assim como os pneus radiais tubeless, cujas medidas são de 110/70 - R17M/C 54H na dianteira, e 140/70 - R17M/C 66H na traseira. 

Posição de Pilotagem

A Yamaha se preocupou com a estética da MT-03, mas não só com ela. A posição de pilotagem ganhou atenção especial, garantindo condução ágil e precisa sem deixar de lado o conforto e a segurança. Seu assento está a apenas 780mm do solo, o que torna mais fáceis os posicionamentos com a moto parada. O guidão permite disposição mais ereta e relaxada.


Em comparação com a YZF-R3, o guidão da MT-03 é posicionado 19 milímetros mais perto do piloto e cerca de 39mm mais alto. 


A MT-03 será produzida em três versões de cores: a Matt Silver (Prata fosco e Azul), denota maior esportividade e arrojo; Red Metallic (Vermelha e laranja) apresenta esquema de cores mais impactante e jovial e a Black Metallic (preta) é elegante, com visual mais discreto, dando a motocicleta aspecto mais sofisticado.


O modelo de entrada da família MT estará disponível nos Concessionários Yamaha a partir da segunda quinzena de MAIO/2016. O preço sugerido para a versão standard é de R$ 18.790,00 + frete, e para a versão ABS, de R$ 20.790,00 + frete.

Vista deste ângulo, parece a R3.

Lanterna traseira: só leds.

Freio com disco flutuante e pinça de dois pistões não contrapostos.



Acessórios disponíveis na Europa.













43 comentários:

  1. Tomara que não venha para lojas com preços exorbitantes. Espero que a Yamaha tenha consciência que embora seja uma boa moto, ela tem apenas 300cc. Não pode vir com um preço próximo de uma CB 500, por exemplo. E que se lembre também da atual crise que o país passa...

    ResponderExcluir
  2. Tomara que não venha para lojas com preços exorbitantes. Espero que a Yamaha tenha consciência que embora seja uma boa moto, ela tem apenas 300cc. Não pode vir com um preço próximo de uma CB 500, por exemplo. E que se lembre também da atual crise que o país passa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antônio. Pela Fipe (http://veiculos.fipe.org.br/), o preço médio de venda está R$ 19.795,00. Se você tiver o valor em espécie para barganhar a compra à vista, pode comprar mais barato pelo menos uns R$ 1.000,00. Caso contrário, vai valer o preço de tabela + frete + seguro para a sua cidade. Pesquise na concessionárias Yamaha mais próxima para se certificar. Os preços já estão disponíveis. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
    2. Tenho uma duvida entre a Mt 03 e a cb 500x e não consigo chegar muma escolha. gostaria que alguém possa me ajudar a escolher. Obrigado.

      Excluir
    3. OLá Litlledoodle, tudo bem? Por ter um conhecimento razoável de motos, posso dar uma breve explanação. A MT-03 da Conceituada marca dos dipazões (yamaha) sempre trabalha num padrão de qualidade e acabamento acima das Asas douradas da Honda. fazendo as comparações em questão de desempenho as duas são equivalente (relação peso/potência/toque) o Custo da CB500X pende mais para o lado das 600cc pelas suas dimensões um pouco maiores, oferecendo mais conforto ao piloto se o mesmo for mais alto já a MT-03 tem o custo tendendo às 250cc... e consequentemente seguro mais em conta também. então a MT-03 é uma opção barata e que dá para se divertir, a 500 já sai mais cara... Porém lembrando que o modelo X é CrossOver... um pouco mais alta que uma Naked (CB500F). se for viajar com Garupa... CB500, se for curtir sem ter um curto alto... MT-03. mas se for optar por uma CB500 Zero km, lembresse que o valor se aproxima de 28 mil e nessa faixa de preço existem opção melhores.. assim como a irmã mais velha da MT-03... a MT-07. se quiser manter o conceito da CB500X, pode se optar por uma kawasaki Versys também... existem várias possibilidades. Espero ter ajudado. Abraço!

      Excluir
    4. OLá Litlledoodle, tudo bem? Por ter um conhecimento razoável de motos, posso dar uma breve explanação. A MT-03 da Conceituada marca dos dipazões (yamaha) sempre trabalha num padrão de qualidade e acabamento acima das Asas douradas da Honda. fazendo as comparações em questão de desempenho as duas são equivalente (relação peso/potência/toque) o Custo da CB500X pende mais para o lado das 600cc pelas suas dimensões um pouco maiores, oferecendo mais conforto ao piloto se o mesmo for mais alto já a MT-03 tem o custo tendendo às 250cc... e consequentemente seguro mais em conta também. então a MT-03 é uma opção barata e que dá para se divertir, a 500 já sai mais cara... Porém lembrando que o modelo X é CrossOver... um pouco mais alta que uma Naked (CB500F). se for viajar com Garupa... CB500, se for curtir sem ter um curto alto... MT-03. mas se for optar por uma CB500 Zero km, lembresse que o valor se aproxima de 28 mil e nessa faixa de preço existem opção melhores.. assim como a irmã mais velha da MT-03... a MT-07. se quiser manter o conceito da CB500X, pode se optar por uma kawasaki Versys também... existem várias possibilidades. Espero ter ajudado. Abraço!

      Excluir
    5. Obrigado Andrews Fontana. Vou pesquisar mais um pouco e analisar as possibilidades. Digo que no momento estou mais propenso a a uma moto um pouco mais alta e com conforto para mim e para a garupa (patroa) rsrsrs.

      Excluir
    6. Obrigado Andrews Fontana. Vou pesquisar mais um pouco e analisar as possibilidades. Digo que no momento estou mais propenso a a uma moto um pouco mais alta e com conforto para mim e para a garupa (patroa) rsrsrs.

      Excluir
    7. ola Litlledoodle eu concordo com o Andrews, na faixa de preço da cb 500x existe a MT-07 que é linda e tem um ótimo custo beneficio e tem potencia de sobra!

      Excluir
  3. Bem que o banco do carona poderia ser mais confortável para não sacrificar tanto o garupa, uma pena!

    ResponderExcluir
  4. O TANQUE DEVERIA TER PELO MENOS UNS 16 LITROS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antônio, concordo com você. Eu sou adepto de tanque grande, mesmo que a moto seja econômica. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
    2. a minha fazer 250cc cabe 19,2L e gasta menos. pq a MT tem o tanque menor? pego estrada na madruga e ja passei aperto, tendo que rodar quase 80 km na reserva com todos os postos fechado... uma pena isso, mas acontece em varias motos!

      Excluir
    3. Na minha fazer 250cc cabe 19,2L e, mesmo assim, já passei aperto na madruga após rodar 300 km, tive que esperar amanhecer para reabastecer, não postos abertos...

      Excluir
    4. Olá George. Por incrível que pareça a MT-03 tem perfil mais urbano que a sua moto, por isso o tanque mais limitado. A Fazer é um projeto nacional que considera as dimesões do Brasil e que muitos usuários a utilizarão para viagens. A MT-03 tem cunho mais esportivo, com preocupação com agilidade e peso. Uma dica de viagens longas é sempre abastecer quando o tanque chegar lá pela metade, pois garante (pelo menos) mais uns 200km em caso de imprevistos como o seu e ainda dá pra dar uma esticada nas pernas para afastar a fadiga. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
    5. Pois é! Também achei... mesma coisa que a nova BMW 300cc com 13L... tenso! a Fazer 250 teve seu tanque redimensionado na ultima atualização passando à Aprox. 18,5L mas ainda sim continuar com uma boa capacidade, gerando boa autonomia... Se for viajar com a MT terá que se manter mais atento nos abastecimentos (igual acontece nos passeios de FDS com as 600-1000cc)

      Excluir
  5. Já foi confirmado o consumo Waldyr? Tô na dúvida entre ela e a fazer por conta disso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Max. Ainda não temos informações de muitos usuários, mas se nos baseamos no consumo da R3, que é praticamente a mesma moto, pode-se esperar um consumo médio (cidade/estrada) entre 24 e 27km/L, com consumo mínimo de 33km/L e máximo de 18km/L. Você pode ver dados como esse neste link:
      http://www.fuelly.com/motorcycle/yamaha/yzf-r3
      Mas lembre-se que o relevo, a carga, o combustível, a velocidade, o tipo de piso e a maneira de pilotar influenciam muito o consumo. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário removido acidentalmente, mas a pergunta foi a mesma que segue abaixo:

      "Waldyr, será que teremos uma versão tracer desta Mt03? Gostei da moto porém achei um pouco baixa."

      Excluir
  7. Gostei desta moto, MT 03, porém achei ela um pouco baixa. Se houvesse uma versão tracer dela seria bem melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Litlledoodle. Não há nada oficial sobre isso, mas não podemos deixar de considerar que há uma boa possibilidade disto acontecer, especialmente no Brasil. Vamos torcer. E tenha certeza de que muitos motociclistas pensam assim. Nos últimos anos há uma tendência de todos os fabricantes aproveitarem as bases de uma motocicleta para várias derivações em versões Trail, Custom, Esporte, Touring, Naked, Crossover e outras mais. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  8. Simplesmente a melhor reportagem que já li sobre essa moto, superior a revistas já consagradas. Parabéns a todos envolvidos.
    Fiz o teste drive simultâneo com um amigo na R3 e MT, andaram iguais sim, excelente ciclística e destaque para maior agilidade da MT. Torque monstro, respostas imediatas, prazer absoluto.
    Chegou a 140Km/h em 4° consumo instantâneo deu 12.8Km/L, mas também com 28 e 32km/L a 60km/h em 6°.como o percurso foi curto não teve como ter uma média. Conforto, encaixe na posição, suspensão todo kit nota 10. Outro destaque foi para os retrovisores da MT com melhor visibilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela participação e pelos elogios, Wagner. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  9. Agradeço a atenção
    A página tinha fechado, não sabia que tinha públicado por isso escrevi outra

    ResponderExcluir
  10. Concordo com o resultado da reportagem,um verdadeiro raio X do modelo, parabéns por isso. Estou ancioso com a chegada da minha moto (MT 03 ABS) na cor prata, já faz um mês o que parece que a marca não está conseguindo atender a demanda pelo menos na versão ABS que acredito ser a escolha do público alvo que começa a pensar um pouco mais na segurança, bons giros a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu a participação Erik. Tenha paciência que ela chega já, eu já peguei fila de quase um mês até com 125cc. Quando quiser postar sua opinião sobre a moto depois que a sua chegar (e você saciar o desejo contido), fique à vontade. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  11. Já lê tudo sobre essa moto e não vê nada igual a este site parabéns tirei todas minhas dúvidas e graças a essa análise bem detalhada que achei aqui já fiz minha escolha go go MT03!✊💨

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, obrigado. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  12. Estou muito feliz com a minha MT, tinha uma CB300 mas é incomparável, fiz 500Km por estradas aki no sul,cheguei sem dor nas costas,pois é uma moto muito macia e versáril, responde a todas as expectativas, e um consumo médio de 26 km//litro, recomendo fiz uma ótima escolha. Gilberto G. Carvalho Santo Antonio do Planalto RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo, Gilberto Carvalho. Valeu a contribuição. Detone aí nas estradas do incrível Rio Grande do Sul. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  13. Ola caro Waldyr Costa e demais amigos bela reportagem muito excelente se pudéssemos ter esses conhecimentos profundos e transparente das motos boa parte dos motociclistas não iriam ter tantas decepções com suas mostocas kkk tenho uma fazer 2008/2008 e só alegria esta com 60 mil km e só precisei trocar o básico creio que este projeto das mt sejam uma nova era das tecnologias e devemos usar e aproveitar o que há de melhor no mercado para o nosso consumo pois alem do prazer de pilotar devemos fazer atenção com a nossa saúde sobre a ergonomia da posição de uma tocada sobre um tempo considerado porem no tocante podemos observar que os garupas não pode dizer o mesmo.... sobre este ponto eu estou de olha na recém lançada na Europa TRacer 700 2 cilindros 74,8 potência...modelo show para viagens e garupas confortáveis sabe me dizer se ela vem para o Brasil também...Há para frisar quero trocar a minha fazer 250cc por uma mt3 e continuar desfrutando do melhor em custo Benefícios do dia dia sobre uma grande maquina porem com reposição de peças e acessórios de baixo custo valeu abraços a todos....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela participação, Brother. Boa sorte.

      Excluir
  14. - O banco para o garupa e a tão alta posição do garupa devido ao posicionamento (altura) do banco e das pedaleiras (apoios dos pés). me desagradam bastante !

    ResponderExcluir
  15. Olá SR. Waldyr Costa
    gostaria de saber antes de comprar a MT03 o valor de licenciamento pois ja olhei em diversos sites e nenhuma resposta. E gostaria tambem de saber a media do valor de seguro.

    Excelente reportagem e meus parabéns pelo seu vasto conhecimento e educação em responder a todos com clareza e transparência

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Nando. Obrigado por participar e pelos elogios. Não tenho como te responder porque os valores variam em cada Estado da Federação e também podem variar de um município para outro. No caso do licenciamento, qualquer revenda autorizada Yamaha próxima a você tem como lhe passar o valor, é só uma questão de boa vontade deles. Já no caso do seguro, a variação é ainda maior, pois além do fator geográfico, existem vários índices que afetam o valor do seguro, como idade, estado civil, como é classificada a área que mora/trabalha/estuda, se tem garagem, qual a amplitude da cobertura do seguro para o prórpio veículo e terceiros, e vários outros detalhes que mudam de uma seguradora para outra. Eu lhe recomendaria fazer cotação em pelo menos três operadoras diferentes, pode requisitar um orçamento diretamente com um agente de seguro, ele vai lhe passar o seu valor real caso você opte pela seguradora dele. Lembre-se, cada caso é diferente e gera um valor distinto. Espero ter ajudado de alguma forma. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  16. Como tirar a dúvida entre comprar uma MT-03 ou CB500:
    Primeiro, tire o capacete (se estiver usando, claro).
    Em seguida, procure uma parede bem dura, dando preferência as de concreto.
    Coloque-se de frente, próximo a parede, uns 30cm mais ou menos.
    Agora é o momento do tira dúvida: Choque com a cabeça, contra a parede, o mais forte que você conseguir.
    Se depois de alguns instantes, você estiver meio abestado, abobalhado ou sem noção de nada, decida-se pela CB500 sem titubear. Grande sacada! (ou cabeçada)
    Se ao contrário, você não bateu com a cabeça na parede, porque não é estúpido, é certo que decidirá pela MT-03 ou mesmo por uma R3. Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Estou com dúvidas assim como milhares de interessados. Aqui na minha cidade a Honda está fazendo uma promoção e estão vendendo a CB500F com abs por 22 mil reais. A pergunta é qual o conjunto melhor entre MT-03 de 320cc e CB500F, lembrando que o preço de ambas agoras são iguais? Qual das duas motos tem mais conforto, potencia, custo de manutenção, durabilidade e mercado de usados?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Meroveu. Às vezes decidir entre uma moto e outra é muito mais uma questão pessoal do que uma questão técnica.

      Pessoalmente eu preferiria a CB500F porque gosto motor com mais torque, mais conforto e uma boa economia.
      Já outra pessoa pode preferir a MT-03 pelo estilo, por ser uma moto mais leve, mais fácil de pilotar e com um bom desempenho, além de uma provável manutenção mais baixa. Importante é o que "pesa" mais para você e isso é você mesmo quem tem que decidir. Qual o seu gosto, os seus interesses e o que faz teu coração bater mais forte?

      São duas boas motos, mas pelo mesmo preço acho que a CB500F oferece mais em termos de custo-benefício, pois ela consome igual a uma 250cc e tem um bom desempenho, com mais conforto e segurança. Atualmente a CB500F está com o preço mais "merecido", já a MT-03 está com o preço inflacionado.

      Algumas pessoas preferem mais exclusividade e não se importam de pagar mais por isso, é o caso da MT-03, da 390 Duke da KTM e da Z300 da Kawasaki. Pessoas pagam mais para ter uma MV Agusta, não é verdade? Vale a pena? Para quem quer isso, claro que vale. Mas se a sua prioridade é custo benefício e economia com racionalidade, pode não fazer sentido investir 100 "dinheiros" em uma coisa que você por ter por 50 "dinheiros". Você quer só um meio de transporte eficiente? Vá para o básico. Ou você ama motos e tem suas preferências e paixões? Então o valor importa menos que o desejo.

      As matérias com as duas motos estão aqui no site, leia e você terá informação suficiente para escolher. Não fique indo muito por opiniões individuais. O melhor pra mim não é o melhor pra você, pode até coincidir, mas "cada cabeça é um mundo", como se diz popularmente. Decida por você, os outros são os outros. Ame e curta o que você conquistou, porque ninguém, além de você mesmo, vai saber o significado disso. Eu deixei minha opinião, mas decida pela sua própria opinião. Isso não quer dizer que você ou eu estejamos certos ou errados, apenas que decidimos por nós mesmos. Errar faz parte da vida, assim como acertar, o bom é aproveitar o tem tem de positivo em tudo e fazer as coisas sem medo. A coragem te fará feliz, o medo te fará infeliz. Seja feliz. Boa sorte e sempre pilote conscientemente.

      Excluir
  18. Waldry Costa, obrigado pelo retorno. Só consegui fazer teste drive ma MT-03 e fiquei surpreso o torque na baixa e na alta. Infelizmente a Honda mao disponibiliza teste drive da CB500F. Uma das coisa que pesa que sempre fora dito pra mim que a manutenção da Yamaha é mais cara que a Honda. Sendo isso verdade, seria um ponto negativo. Outra questão é que a Honda dá 03 anos de garantia e a Yamaha apenas 01 ano e esse detalhe também faz pesar na escolha. Acho ambas motos parecidas. Com relação ao peso, pela matéria, se não estou enganado a CB500F pesa 20 quilos a mais e mesmo assim é mais econômica. Pelos depoimentos de donos da MT-03 ela não é econômica, talvez porque seja um tesão acelerar ela, com isso fica impossível conseguir ter economia. Enfim acho que 20 quilos a mais na CB deve passar despercebido. E depois dizem que a Yamaha é is difícil de vender que a Honda. Sempre tive moto Cross cuja escolha tem sido pelos buracos nas ruas, mas gosto de potência e o estilo Cross oferece menos que uma Naked. Já tive XlX350R, a Falcon e hoje tenho uma Bross 150ESD que me atende bem para ir ao trabalho, mas esse é o limite e isso frusta porque tenho um apartamento em outra cidade cuja pista é muito boa, não arrisco mais em ir de Bross, fui uma vez para nunca mais, agora imagino se estivesse numa moto mais.potente seria mais prazeroso, confortável e potente. Enquanto isso só vou no meu Corolla e quando a esposa não vai, penso, se tivesse uma moto maior poderia fazer um bari e volta tranquilo e iria curtir a paixão de duas rodas. Voltando, de fato o preço hoje da CB500F está mais justo e isso demonstra como tem gordura nos preços das motos e essa ganância custou muitos empregos na linha de montagem, as lojas não vendem a consequência foi aquela, demissão em massa. Entre o que foi dito, embora não tenha andado na CB500F, minha inclinação é comprar ela por ter mais potência e ter mais tempo de garantia. Estive vendo valores de algumas peças de manutenção da MT-03 e achei bem caras por ser uma 320cc, fora isso a moto é bem interessante. Até agora a minha preferência é pela Honda. Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Meroveu, já que você gosta do estilo trail pode considerar outros modelos também.

      Brevemente estarão chegando ao Brasil a BMW G310GS, a Kawasaki Versys-X 300 e a Suzuki DL 250. Mas como você vai pegar rodovia com frequência, outros modelos de maior cilindrada são mais recomendados para o seu caso.

      Não sei se você admitiria pegar uma moto usada, semi-nova, pelo mesmo valor da uma CB500F 0km. Se for o caso, você teria boas opções como a BMW F800GS e F700GS, Honda CB500X e NC750X, Kawasaki Versys 650, Suzuki V-Strom 650 e Yamaha XT660R e XT600Z Ténéré (no caso das Yamaha, as duas estão saindo de linha, serão substituídas por novos modelos com o motor da MT-07, a nova Ténéré 700 já foi apresentada como protótipo e deve estrear em 2018, já a nova XT deve ser derivada da nova Ténéré 700, mas isso ainda vai demorar).

      Mas sugiro que considere seriamente uma moto de média cilindrada para o seu caso. As mais econômicas são as CB500F, CB500X e NC700/750X; as que têm melhor desempenho são as BMW F800GS e Suzuki V-Strom 650, e as mais topa-tudo são as duas Yamaha e a BMW F800GS. O melhor custo-benefício recai novamente sobre as Honda por serem extremamente econômicas, todos os 4 modelos citados (500cc, 700cc e 750cc) conseguem facilmente 30km/L, valor que as 250/300 têm dificuldade em manter. As outras também são econômicas, mas nem tanto, com destaque para a BMW e Suzuki.

      Outras opções são nakeds usadas com valor equivalente à uma CB500F 0km: Yamaha XJ600 e Fazer 600, Suzuki Bandit 650 e 1250, Honda Hornet (muito visada para roubo e de seguro altíssimo), Kawasaki ER-6n, BMW F800R (essa um pouco mais cara). Com o valor da CB500 você consegue até uma Bandit 1250, excelente custo-benefício, mas ela não é nada econômica, tem motor muito forte e exige mais experiência no trato. A XJ600 é facil de pilotar e econômica para uma 4cil. Existem também as Triumph Street Triple 675 e Ducati Monster 600, também com preço mais salgado.

      Sei que com essas opções todas só estou lhe atrapalhando em vez de lhe ajudar, mas em contrapartida estou expandindo seu horizonte de felicidades. Se quiser uma zero km a 500cc é realmente a melhor opção, já no caso das usadas você tem que testar para saber qual te fará mais feliz.

      Não se impressione com a potência de motos de baixa cilindrada. Para a estrada, quanto mais motor melhor, pois o que mais se usa é o torque e não a potência máxima. Moto maior tem mais segurança em todos os sentidos, pois a estrutura da motocicleta é muito superior, freia melhor, acelera e retoma melhor, são mais estáveis e confortáveis, etc. Enfim, são motos superiores e qualquer uma delas que pegar vai saber que, o que estou escrevendo aqui, é verdade. Tente fazer um teste drive numa dessas e verá.

      Comprar moto no Brasil é se submeter à uma exploração financeira quase inaceitável: algumas motos que são fabricadas aqui e exportadas chegam a custar 40% menos nos países onde são comercializadas. Quanto mais baixa a cilindrada mais cara é a moto, proporcionalmente.

      O que você falou é a pura verdade. Os lucros das montadoras são astronômicos, elas costumam botar a culpa nos impostos, mas eles são a menor parte dos preços abusivos que temos por aqui. Enquanto os consumidores não boicotarem os exageros, eles continuarão acontecendo.

      Quando comprar a moto não deixe de nos deixar um relato. Sua participação é importante para nós, para aqueles que têm dúvidas e para os amantes leitores motociclistas. Muito boa sorte na sua decisão.

      Excluir
  19. Na minha cidade tem apenas uma concessionaria BMW. Fui nela logo que comentaram que a GS310 seria vendida no inicio do ano, mas ela não chegou ainda. Ofereceram uma Cross 600 ou 650cc para teste drive. Confesso que não gostei, a moto é muito bonita, mas não gostei da pilotagem. Achei a moto pesada, baixo torque e muito barulhenta. De fato a moto usada também é uma opção. Não conheço bem os modelos da Yamaha e só ouço bons elogios. Vi de perto uma CB1000 usada, não lembro o ano. Ela é branca, com.detalhes vermelho e azul com aro dourado, e fiquei balançado com a moto, de todas ela seria um sonho de consumo, mas a dona se empolgou no preço e falou algo em torno de 39 mil reais. Para uma usada esse preço não pagaria. Ela estava querendo trocar a moto dela por uma 650 carenada e usada. Segundo o marido dela anda mais que a 1000cc. Como não curto moto carenada, fica difícil entender essa troca. Como não estou a pé, posso pensar com mais calma. Não sei o valor de uma CB1000 usada, mas achei ela bonita, mas só andando nela para confirmar a paixão a primeira vista. Valeu pelas orientações, abriu sim um leque maior de opções. Abs

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.